Cultura local registrada em filmes

Confirmando a frase “Cinema é Cultura” aproveitamos a tecnologia que nos proporciona assistir a 4 filmes completos via internet. Segue filmes que podem ser assistidos gratuitamente na íntegra. Esperamos que isso possa auxiliar na compreensão da nossa história e nossa cultura.
Prepare a pipoca e dê um Play!


Hans Staden

Hans Staden é um imigrante alemão que naufragou no litoral de Santa Catarina. Dois anos depois, chegou a São Vicente, concentração da colônia portuguesa, onde trabalhou, visando juntar dinheiro para retornar à Europa. Neste tempo, Staden teve um escravo da tribo Carijó. Um dia, preocupado com seu sumiço repentino, Staden parte em sua procura e sete Tupinambás, inimigos dos portugueses,o encontram e o prendem, no intuito de matá-lo e devorá-lo.
Data de lançamento: 1999 (mundial)
Direção: Luiz Alberto Pereira





Desmundo

Baseado no livro homônimo de Ana Miranda, o filme “Desmundo” narra a história das órfãs portuguesas que, em 1570, foram enviadas ao Brasil para se casarem  com os colonizadores. Sob o apoio da Igreja, o Estado português pretendia que os colonos tivessem casamentos  “brancos e cristãos”  reduzindo, assim, o nascimento de crianças mestiças oriundas das relações com índias e negras. A personagem Oribela (Simone Spoladore) é uma das órfãs portuguesa enviadas ao Brasil para o casamento forçado. Obrigada a casar com Francisco de Albuquerque (Osmar Prado), é levada para seu engenho de açúcar onde é violentada pelo marido. Tenta fugir, embarcar para um navio e voltar a Portugal, mas é recapturada por Francisco que a acorrenta em um pequeno galpão. Ali ela só conta com a ajuda de uma índia que lhe leva comida e aplica plantas medicinais em seus ferimentos. Quando ela sai de seu cativeiro, continua determinada em fugir, até que numa noite, ela se disfarça de homem e segue para a vila, pedindo ajuda a Ximeno Dias (Caco Ciocler), um cristão-novo que morava na região. Mantêm-se escondida  no estabelecimento do cristão-novo até ser descoberta pelo marido. Novamente capturada, Oribela retorna à casa de Francisco. Passado algum tempo, Oribela dá à luz a uma criança, deixando-se em dúvida quem seria seu pai. O drama vivido pela personagem faz compreender o título do filme: a colônia, longe de ser o paraíso imaginado pelos primeiros colonizadores e nem mesmo uma reprodução do Reino, transformou-se num “desmundo”, isto é, um “não-mundo”, termo aportuguesado do latim.


Vermelho Brasil

O filme Vermelho Brasil é dirigido por Sylvain Archambault, e estrelado por Stellan Skarsgard, Joaquim de Almeida, Sagamore Stévenin, Theo Frilet, Juliette Lamboley, Olivier Chantreau, Miguelito Acosta, Giselle Motta e grande elenco.
Sinopse: Baseado no livro do escritor francês Jean-Christophe Rufin, o filme Vermelho Brasil conta a história da expedição de Nicolas Durand Villegaignon ao Brasil por volta do ano 1550, e sua luta para criar uma colônia francesa em solo brasileiro. O meu personagem é de guerreiro nativo, braço direito do vilão João da Silva, interpretado pelo ator Joaquim de Almeida.
O filme Vermelho Brasil é uma superprodução Internacional entre França, Brasil, Portugal e Canadá, e a TV Globo o exibiu em seu canal aberto no dia 02/03/2015 em comemoração pelos 450 anos da fundação da cidade do Rio de Janeiro.


Anchieta, José do Brasil

Chegando ao Brasil em 1553, José de Anchieta, em apenas três meses de contato com os nativos, aprende a língua dos índios tupis e a registra em uma gramática. Com obstinada paixão, estuda os hábitos e costumes dos índios, classifica plantas e frutas locais. Interfere no conflito entre indígenas e colonos europeus, evitando disputas violentas e facilitando as relações entre ambos. Com a chegada dos franceses comandados por Villegaignon, Anchieta interrompe seu trabalho junto aos índios para negociar a paz. Com Nóbrega, Anchieta dedica-se aos índios tamoios, aliados dos franceses. Na aldeia, inicia seu trabalho de apóstolo, vencendo a resistência dos tamoios, pondo fim às lutas. A morte de Nóbrega e a decretação da escravidão dos índios abalam o apóstolo. Adoentado, vê morrer a raça por quem tanto lutou. À encenação dos últimos momentos de sua vida, segue-se a consagração do missionário jesuíta, numa figuração alegórica que o coloca como mito, fundador da civilização sincrética dos trópicos.”